Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Representação digital

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Detalhes do registo

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/AMAP/FAM/AALP/01-02-02/001-2877/10-29-17-6-79

Tipo de título

Atribuído

Título

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Datas de produção

1933-05-22  a  1933-05-22 

Dimensão e suporte

2 f. (19 x 15 cm); papel

Extensões

1 Capilha

Âmbito e conteúdo

O casamento do filho de Alfredo Pimenta, Alfredo Manoel; a descoberta de 8 talheres de prata; o Museu de Alberto Sampaio.

Tradição documental

Tipo técnica de registo

Marcas

Museu Regional de Alberto Sampaio - Gabinete do Director - Conservador.

Assinaturas

Alfredo Guimarães

Condições de acesso

Comunicável

Condições de reprodução

A reprodução deverá ser solicitada por escrito através de requerimento dirigido ao responsável da instituição

Aspeto físico

Cota atual

10-29-17-6-79

Idioma e escrita

Escrita

Notas de publicação

Referência bibliográficaPIMENTA, Maria Tereza (2005) - Cartas Inéditas de Alfredo Guimarães a Alfredo Pimenta durante os anos 30 e 40 do século XX. "Gil Vicente: Revista de Cultura e Actualidade". Guimarães: Cidade Berço. IV série n.º5 (2004-2005), p.20

Transcrição

Maio. 22 de MaioMuitos parabéns pela alegria da última carta que me escreveu. Folgo com essa boa disposição, porque pensava que o Amigo se tinha estendido na cama por conta do Camões, com lenço torcido á laia de tocador de zabumba, e muita força de chá de hortelã. Outrosim o felicito pela novidade que dá do casamento do nosso querido dr. Alfredo Manoel. Casa com respeitabilíssima senhora de Abrantes, que por todas as razões é respeitabilíssima, menos a localidade, visto que em 1914 -quando andei com a mania de correr o país a pé - passei em Abrantes fome que nunca corti por este mundo. Em dois dias apenas lá pude comer ovos estrelados e presunto. Tenho de Abrantes a impressão do inferno... da fome. Tratei das pratas. O Fernandes tinha-me escrito, dizendo que nada havia. Porém, posteriormente, agora, o Fernandes descobriu 8 talheres muito razoáveis de que mando a nota. São sóbrios, fortes, bons enfim, e talvez que seja possível conseguir aí quem os restantes. Colheres não há. Devo dizer ainda tido se trata de estilo "luizes", mas arte inglesa e solida do princípio do século XIX. O Petisqueira mandou-me um cartão. Não tem talheres, nem crédito.Dirá Do assunto do ministério, fico crendo, como sempre, em Deus, na vontade do Sr. Ministro e em si. Para aguentar o Museu num meio triste como este, o sr. Ministro não deve, porém, acreditar demasiado na minha paciência.. Não, porque pode de um momento para o outro lembrar-me que não lenho obrigação de ser, por mais tempo, galego do Estado. É que volto a estar doente, e o Estado tem abusado da minha saúde, da minha vida. Devo escrever-lhe em breve sobre o assunto do monumento a Alberto Sampaio, e outros.Adeus. Cumprimentos às Senhoras. Abraços a seu filho. E o maior para si do velho amigo AlfºGuims.