Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Representação digital

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Detalhes do registo

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/AMAP/FAM/AALP/01-02-02/001-2877/10-29-17-6-3

Tipo de título

Atribuído

Título

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Datas de produção

1939-05-17  a  1939-05-17 

Dimensão e suporte

1 f. (28 x 22 cm); papel

Extensões

1 Capilha

Âmbito e conteúdo

O litígio sobre o lugar do tesoureiro da Câmara Municipal de Guimarães.

Tradição documental

Tipo técnica de registo

Assinaturas

Alfredo Guimarães

Condições de acesso

Comunicável

Condições de reprodução

A reprodução deverá ser solicitada por escrito através de requerimento dirigido ao responsável da instituição

Aspeto físico

Cota atual

10-29-17-6-3

Idioma e escrita

Escrita

Notas de publicação

Referência bibliográficaPIMENTA, Maria Tereza (2005) - Cartas Inéditas de Alfredo Guimarães a Alfredo Pimenta durante os anos 30 e 40 do século XX. "Gil Vicente: Revista de Cultura e Actualidade". Guimarães: Cidade Berço. IV série n.º5 (2004-2005), p. 50

Transcrição

Meu querido Amigo: Saude e paz, em Deus. Tinha muitos assuntos a tratar com o amigo, mas ficam para breves dias, e hoje vae apenas um, alias da maior necessidade e do maior empenho. Continua, nos tribunaes, a lucta pelo lugar de tesoureiro da Camara Municipal de Guimarães. Quando se deu a vaga no cargo, em 1934, o dr João Rocha dos Santos ofereceu-a ao seu colega no município dr. Ricardo de Freitas Ribeiro. Este não só a não aceitou, como até concordou que o dr. Rocha a oferecesse ao sr. Armando Teixeira de Faria, filho do nosso bom Amigo sr. Francisco Faria. Mas o pae torto do dr Ricardo - o celebre António de Freitas Ribeiro - intimou o filho a faltar à sua palavra de renunciar do cargo e a pôr, no tribunal, uma questão de legítimos direitos. O tribunal de Guimarães e o do Porto deram a questão a favor do dr. Armando Teixeira de Faria. Está o caso, agora, no Supremo Tribunal Administrativo. E quando todos os juízes se propunham sancionar a opinião jurídica e moral dos tribunaes que acabo de citar, mete-se o demo no caso, e os juízes aparecem subitamente, voltados do avesso. O Caso julga-se já depois de amanhã, sexta-feira. É, como vê, urgentíssima a defeza. Por isso é que eu, o dr. João Rocha (coberto de trabalhos neste momento) e o sr. Francisco Faria, recorremos para o querido Amigo, rogando-lhe que vá, sem perda de tempo, ao sr. dr. Guilherme Moreira, e lhe peça o seu grande e importantíssimo auxilio perante o Sr. dr. Sebastião Coelho de Carvalho, juiz do Supremo Tribunal Administrativo, nas mãos de quem está o acto de justiça de julgar este pleito a favor do dr.Armando Teixeira de Faria. Não ralhe connosco por virmos tarde. A surpresa surgiu há pouco. Mas se o Sr. dr. Guilherme Moreira quiser, tudo correrá bem. Perdoe e mande o seu, do coração, Alfº Guimães.