Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Representação digital

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Detalhes do registo

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/AMAP/FAM/AALP/01-02-02/001-2877/10-29-17-6-1

Tipo de título

Atribuído

Título

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Datas de produção

1932-04-17  a  1932-04-17 

Dimensão e suporte

2 f. (20 x 15 cm); papel

Extensões

1 Capilha

Âmbito e conteúdo

A publicação no "Diário Ilustrado" de um conjunto de fotografias do claustro do Museu Regional de Alberto Sampaio, com o título «O mais antigo dos claustros portugueses».

Tradição documental

Tipo técnica de registo

Assinaturas

Alfredo Guimarães

Condições de acesso

Comunicável

Condições de reprodução

A reprodução deverá ser solicitada por escrito através de requerimento dirigido ao responsável da instituição

Aspeto físico

Cota atual

10-29-17-6-1

Idioma e escrita

Escrita

Notas de publicação

Referência bibliográficaPIMENTA, Maria Tereza (2005) - Cartas Inéditas de Alfredo Guimarães a Alfredo Pimenta durante os anos 30 e 40 do século XX. "Gil Vicente: Revista de Cultura e Actualidade". Guimarães: Cidade Berço. IV série n.º5 (2004-2005), p. 13

Transcrição

Meu querido Amigo A si e a todos os Seus, santas Pascoas, e muitas flôres e bençãos. Remeto junto uma serie de fotografias do Claustro deste modesto e desgraçado Museu, e venho pedir-lhe o grande favor de conseguir do Sr. dr Caetano Beirão da Veiga que o "Notícias Ilustrado"' publique essas provas e, dupla pagina com o titulo "O mais antigo dos claustros portuguêses". Com referencia à obra em restauro, considero-me suspeito em matérias de informações, mas o meu querido Amigo dirá, por grande mercê, da sua justiça a tal respeito. O caso se der um dupla pagina é muito importante para nós. Contribuirá assim um grande recláme, coisa de que o Museu, abandonado de tudo e de todos, hoje mais do que nunca precisa. Se, porém, não fôr possível conseguir o que peço, rogo que me devolva as provas, pois essas custaram à minha magra algibeira 50$00. O Sr. dr. Beirão da Veiga deve ainda lembrar-se deste claustro, que viu em 1928, a quando da peregrinação Patriótica promovida pelo "Diário de Noticias", e onde eu os recebi tam bem quanto pude. Adeus. Perdoe-me a estupada e rogo-lhe que faça o maior esforço para me servir. Lembranças aos Seus, e um bom abraço do seu muito dedicado e admiradorAlfGuimarães.