Carta de Alfredo Pimenta para Oliveira Salazar

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Carta de Alfredo Pimenta para Oliveira Salazar

Detalhes do registo

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/AMAP/FAM/AALP/01-02-02/002-017/10-29-6-8-103

Tipo de título

Atribuído

Título

Carta de Alfredo Pimenta para Oliveira Salazar

Datas de produção

1940  a  1940 

Dimensão e suporte

4 f. (30 x 21 cm); papel

Extensões

1 Capilha

Autor intelectual

Registo Código Tipo de relação Datas da relação
Registo de autoridadePimenta, Alfredo Augusto Lopes. 1882-1950, historiador, escritor e poeta AAP/AP Autor

Âmbito e conteúdo

O silêncio de Salazar; a irritação com o último telegrama; a vista do presidente do Conselho a Guimarães.

Tradição documental

Tipo técnica de registo

Assinaturas

Alfredo Pimenta

Condições de acesso

Comunicável

Condições de reprodução

A reprodução deverá ser solicitada por escrito através de requerimento dirigido ao responsável da instituição.

Aspeto físico

Cota atual

10-29-6-8-103

Idioma e escrita

Escrita

Transcrição

1940? n.º A-240 Casa da Madre de Deus Guimarães Ex.mo Snr: - pois eu confesso-o, supunha que V.ª Ex.ª estava amuado comigo. Porquê? Não o sabia, por mais que cogitasse. Perguntar-lho era presunção ou impertinência que a natureza das nossas relações não justificaria- nem sequer explicaria. Fiz o que era natural: fechei-me no silêncio, e deste não sairia se o cartão de V.ª Ex.ª há dias recebido me não viesse dizer que me enganara. Habituado às suas atenções, notei que V.ª Ex.ª não acusara nem directa nem indirectamente o recebimento das minhas cartas e dos meus trabalhos - sobretudo o último em que eu coopero na sua obra da celebração dos Centenários. A consciência não me acusava nem de obras, nem de palavras, nem de intenções. Mas alguma coisa haveria... Nada havia, afinal. E ainda bem - porque não há nada que me magoe mais e me desconcerte mais do que a injustiça. Quando outro dia lhe mandei o telegrama em que afirmava fazer minhas as últimas palavras do Tenente Cardoso (as últimas palavras pronunciadas, não as publicadas) dois dias depois arrependi-me, porque a Rua desatou a dizer que V.ª Ex.ª ficara irritado com elas, e que o Ministro da Justiça saíra do teatro furioso. O Ministro da Justiça...adiante. Ora se V.ª Ex.ª estava amuado comigo, pior ficara com o meu telegrama. Afinal enganei-me. E ainda bem. Disseram-me aqui que V.ª Ex.ª pensa em passar nesta terra, no mês de Setembro. Não me dê V.ª Ex.ª o desgosto de vir a Guimarães, sem que eu tenha a honra de o cumprimentar A terra é pequena - e cinco minutos bastam para eu estar junto de V.ª Ex.ª.Sou como sempre de V.ª Ex.ª m.to inútil amigo e admirador m.to gratoA.P.

Relações com registos de autoridade

Relações com registos de autoridade
Registo Código Tipo de relação Datas da relação
Registo de autoridadePimenta, Alfredo Augusto Lopes. 1882-1950, historiador, escritor e poeta AAP/AP Autor