Carta de Alfredo Pimenta para Oliveira Salazar

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Carta de Alfredo Pimenta para Oliveira Salazar

Detalhes do registo

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/AMAP/FAM/AALP/01-02-02/002-017/10-29-6-7-31

Tipo de título

Atribuído

Título

Carta de Alfredo Pimenta para Oliveira Salazar

Datas de produção

1941-12-20  a  1941-12-20 

Dimensão e suporte

3 f. (30 x 21 cm); papel

Extensões

1 Capilha

Autor intelectual

Registo Código Tipo de relação Datas da relação
Registo de autoridadePimenta, Alfredo Augusto Lopes. 1882-1950, historiador, escritor e poeta AAP/AP Autor

Âmbito e conteúdo

A ocupação de Timor por tropas aliadas.

Tradição documental

Tipo técnica de registo

Assinaturas

Alfredo Pimenta

Condições de acesso

Comunicável

Condições de reprodução

A reprodução deverá ser solicitada por escrito através de requerimento dirigido ao responsável da instituição.

Aspeto físico

Cota atual

10-29-6-7-31

Idioma e escrita

Escrita

Notas de publicação

Referência bibliográficaPublicada in: SALAZAR E ALFREDO PIMENTA: Correspondência, 1931-1950 / Prof. Manuel Braga da Cruz .[Lisboa]: Verbo, 2008, p. 162.

Transcrição

1941 20-12 n.º 405 Ex.mo Senhor Presidente do Conselho: - da impressão que me causou o discurso de V.ª Ex.ª, modelar a todas as luzes, já o telegrama que imediatamente enviei a V.ª Ex.ª deu conta. Nada tenho a acrescentar a tal respeito, tanto mais que me reservo comentá-lo devidamente no artigo "O Discurso e os factos" que vai hoje para a "Voz". Permito-me apenas chamar a atenção de V.ª Ex.ª para dois pontos que não ficaram suficientemente esclarecidos: a) a atitude do Governo de Timor. As instruções que ele recebera de V.ª Ex.ª: não podiam referir-se à hipótese duma invasão violenta por parte das forças britânicas — hipótese que, creio eu, nunca se pôs. As instruções que V.ª Ex.ª no seu discurso diz que ele cumpriu são, portanto, as que constam do mesmo discurso. E então eu pergunto: porque não resistiu? Porque não opôs à força brutal a sua força ainda que modesta? b) Outro ponto duvidoso: disse V.ª Ex.ª que lhe parecia que os invasores iam na convicção de que procediam de acordo com o Governo português; ser assim era, porque, esclarecidos, se não abstiveram da violência? Se iam nessa suposição, quem fora o seu autor? Perante a situação criada pela perfídia inglesa, é de esperar que V.ª Ex.ª tome na devida conta as palavras de João do Amaral. Deixou-se formar uma atmosfera de servilismo que ainda está a corromper as energias da maioria dos portugueses. Eu que o digo, é que o que sei. Não basta que o Chefe do Governo exponha os factos. É indispensável que o sentimento nacional seja conduzido a tomar a posição condigna. Deus proteja a vida de V.ª Ex.ª e o inspire nestas horas difíceis e cheias de traições. De V.ª Ex.ª m.to att.o ven. e grato A.P.

Relações com registos de autoridade

Relações com registos de autoridade
Registo Código Tipo de relação Datas da relação
Registo de autoridadePimenta, Alfredo Augusto Lopes. 1882-1950, historiador, escritor e poeta AAP/AP Autor