Plano de classificação

Carta de Oliveira Salazar para Alfredo Pimenta

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Representação digital

Carta de Oliveira Salazar para Alfredo Pimenta

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Carta de Oliveira Salazar para Alfredo Pimenta

Detalhes do registo

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/AMAP/FAM/AALP/01-02-02/001-5747/10-29-19-4-21

Tipo de título

Atribuído

Título

Carta de Oliveira Salazar para Alfredo Pimenta

Datas de produção

1941-01-14  a  1941-01-14 

Dimensão e suporte

4 f. (23 x 18 cm), papel

Extensões

1 Capilha

Âmbito e conteúdo

Analisa um opúsculo de Alfredo Pimenta.

Tradição documental

Tipo técnica de registo

Marcas

Timbre da Presidência do Conselho

Assinaturas

Oliveira Salazar

Condições de acesso

Comunicável.

Condições de reprodução

A reprodução deverá ser solicitada por escrito através de requerimento dirigido ao responsável da instituição.

Aspeto físico

Cota atual

10-29-19-4-21

Idioma e escrita

Escrita

Unidades de descrição relacionadas

10-29-6-7-4

Notas de publicação

Referência bibliográficaPublicada in: SALAZAR E ALFREDO PIMENTA: Correspondência, 1931-1950 / Prof. Manuel Braga da Cruz .[Lisboa]: Verbo, 2008, pp. 135-136.

Transcrição

Ex.mo Sr. Dr. Alf. Pimenta Acabo de receber uma carta de V.a Ex.a, com data de hoje, e tinha recebido ontem à noite, de resposta ao meu cartão, outra carta de V.a Ex.a sobre o assunto do seu folheto. O meu cartão foi escrito tão a correr que por lapso me referi ao Ultimatum a propósito do opúsculo de V.a Ex.a; mas o que tinha presente era o mesmo trabalho de que V.a Ex.a me facultou as provas. Estas só pude lê-las no domingo, e por isso não escrevi a V.a Ex.a mais cedo, julgando aliás que quando o fiz, estava ainda a tempo, isto é, o livro não estaria impresso. Por saber que em certas regiões tinha havido alvoroço com o trabalho de V.a Ex.a, me dispus a lê-lo nas provas para fazer o meu juízo. Não me pareceu que pudesse ou devesse ser impedido de circular, mas para mim, pessoalmente, para o governo, para o país e para V.a Ex.a eu teria preferido a) que fossem eliminadas todas as passagens ou referências que traduzem uns laivos de hostilidade que afasta V.a Ex.a da seriedade do historiador (ex.: várias vezes se escreve - a nossa amiga Inglaterra etc.); b) que ou no Prólogo ou no Final V.a Ex.a reforçasse a sua tese de que se trata apenas de trabalho histórico, só feito para elucidação da verdade histórica, fazendo referências a que sob o aspecto político a questão se deve considerar arrumada, pela declaração solenemente feita na Cam. dos Com. e transmitida ao governo português de que o povo de S. M. não tem intenção de retomar negociações daquele género. Era isto que eu queria dizer e pedia na carta de hoje anunciada no meu cartão, julgando que estaríamos a tempo de tão pequenas correcções e aditamentos. Na altura em que a edição se encontra não me atrevo a sugerir seja o que for, sobretudo depois de me ser afirmado que a Censura achou bem e deixará circular o Opúsculo. Tenho porém pena de não ir a tempo. E há-de ser o que Deus quiser. Em todo o caso, se de qualquer maneira V.a Ex.a puder no Opúsculo ou a propósito dele fazer bem a distinção do aspecto histórico e do aspecto político, todos teremos a lucrar. De V.a Ex.a M.to At.o Ven.or e Gr.º Oliveira Salazar