Casa dos Pobres das Caldas das Taipas

Ações disponíveis

Acções disponíveis ao leitor

Partilhar

 

Casa dos Pobres das Caldas das Taipas

Detalhes do registo

Nível de descrição

Fundo   Fundo

Código de referência

PT/AMAP/IPSS/CPCT

Tipo de título

Formal

Título paralelo

Sopa dos Pobres

Datas de produção

1940  a  1985 

Dimensão e suporte

2 envelopes, 24 fl., 8 mç. ; papel

Extensões

2 Outros
24 Folhas
8 Maços
1 Livros

Entidade detentora

Arquivo Municipal Alfredo Pimenta

Produtor

Casa dos Pobres das Caldas das Taipas

História administrativa/biográfica/familiar

A Casa dos Pobres das Caldas das Taipas, enquanto "Casa dos Pobres", não é novidade nas Caldas das Taipas, no passado é de mencionar a existência da Casa dos Pobres Dr. Rocha dos Santos. Fundada por iniciativa de elementos afetos à Junta de Turismo, e inclusive quase exclusivamente sustentada por ela. Como esta instituição se dissolveu em meados da década de 40, as Caldas das Taipas ficaram desprovidas de uma instituição de solidariedade. Um grupo de notáveis da Vila, em finais da década de 50 do século XX, empenhados em erradicar a mendicidade, decidiram voltar a fundar uma Casa dos Pobres nas Caldas das Taipas. Grande parte desses notáveis da terra eram elementos afectos à Junta de Turismo. Procuravam eles na Casa dos Pobres uma forma de controlar a mendicidade nas Caldas das Taipas, que em seu ver era nefasta ao Turismo. Desta vez, em virtude de um aviso já antigo do Tribunal de Contas, a Junta de Turismo não poderia injetar capital na Casa dos Pobres, sob pena de sofrer sanções do Tribunal de Contas. Acabaria a Casa dos Pobres por recorrer a outros meios de subsistência. Ao contrário da sua congénere anterior, a Casa dos Pobres Dr. Rocha dos Santos, a Casa dos Pobres das Caldas das Taipas era completamente independente da Junta de Turismo. Estava instalada no mesmo edifício que a Junta de Turismo, mas não partilhava sede com ela. A Casa dos Pobres surge então em finais da década de 50, legitimada pelo Despacho de 6 de Março de 1957, provindo do Ministério da Saúde e Assistência. E extinguiu-se provavelmente em finais da década de 60, após uma existência efémera.

Localidade

Caldas das Taipas, Caldelas, Guimarães

Estatuto legal

Instituição de Solidariedade Social

Funções, ocupações e atividades

Filantropia e solidariedade social.

Mandatos/fontes de autoridade

Despacho de 6 de Março de 1957, publicado em Diário do Governo, III Série, 17 de Março de 1957

Estrutura interna/genealogia

A instituição, ao que aparenta, era constituída por uma Assembleia-geral, tendo essa um Presidente, um Vice-presidente e dois Secretários. A Direção era composta por um Presidente, Vice-Presidente, Secretário-geral, Tesoureiro e Vogal.

História custodial e arquivística

Apesar de a Casa dos Pobres não ser valência da Junta de Turismo partilhava a sua existência e até mesmo elementos com esta instituição. Provavelmente, a Casa dos Pobres das Caldas das Taipas utilizaria o arquivo da Junta de Turismo para armazenar a sua documentação, acabando esta por se confundir com a da Junta de Turismo. Com a extinção definitiva da Junta de Turismo da Estância Termal das Taipas, em virtude da criação da Zona de Turismo de Guimarães, conjunto documental ingressou no Arquivo Municipal Alfredo Pimenta através da incorporação Nº 3/91 de 15 de Outubro de 1991.

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Incorporação Nº 3/91 de 15 de Outubro de 1991, por ordem do Presidente da Câmara Municipal Dr. António Magalhães.

Âmbito e conteúdo

Este pequeno Fundo é constituído por documentação produzida por esta instituição de solidariedade social que partilhava o edificio com a Junta de Turismo, consistindo em actas, minutas, correspondência, contas de gerência.

Sistema de organização

A organização respeitou a essência orgânica da instituição e a tipologia documental presente no fundo. O fundo está portanto dividido em séries que refletem os géneros documentais presentes ou as fontes de produção.

Instrumentos de pesquisa

ARQUIVO MUNICIPAL ALFREDO PIMENTA [Base de dados de descrição arquivística]. [Em linha].GUIMARÃES:AMAP, 2015. Disponível no Sítio Web e na Sala de Referência do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta. Em atualização permanente.