Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Representação digital

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Detalhes do registo

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/AMAP/FAM/AALP/01-02-02/001-2877/10-29-20-1-47

Tipo de título

Atribuído

Título

Carta de Alfredo Guimarães para Alfredo Pimenta

Datas de produção

1941-02-08  a  1941-02-08 

Dimensão e suporte

1 f. (28 x 22 cm); papel

Extensões

1 Capilha

Âmbito e conteúdo

Esclarecimentos sobre o salário do director do Museu de Alberto Sampaio.

Tradição documental

Tipo técnica de registo

Marcas

Museu Regional de Alberto Sampaio.

Condições de acesso

Comunicável

Condições de reprodução

A reprodução deverá ser solicitada por escrito através de requerimento dirigido ao responsável da instituição

Aspeto físico

Cota atual

10-29-20-1-47

Idioma e escrita

Escrita

Notas de publicação

Referência bibliográficaPIMENTA, Maria Tereza (2005) - Cartas Inéditas de Alfredo Guimarães a Alfredo Pimenta durante os anos 30 e 40 do século XX. "Gil Vicente: Revista de Cultura e Actualidade". Guimarães: Cidade Berço. IV série n.º5 (2004-2005), pp. 57-58

Transcrição

Meu querido Amigo: Renovo os meus agradecimentos pelos esforços que tem feito em meu serviço, por causa do miseravel caso do ordenado de quinhentos e tantos escudos. Não é só o desconto no ordenado, que nas actuais circunstancias do custo de vida é muito de ponderar; é também a certeza que fico tendo de que tanto vale trabalhar muito, como tenho trabalhado, como não trabalhar coisa nenhuma. O Estado nada toma em consideração - nem a negligencia de uns, nem a fadiga dos demais. Uma desilusão a mais... Veio a sua carta para o Rodrigo, dizendo que o Senhor Subsecretario de Estado da Educação Nacional lhe dissera que o vencimento se mantinha, ou seja que continuava a ganhar os 636$30. Fiquei alegrissimo. A Carta chegou na 2.ª feira. Na 4ª feira, com remessa do dia anterior (como nitidamente se vê no timbre postal do Boletim) volta a ver-se que o dinheiro a receber não é a quantia de 636$30, mas apenas, como o chefe da Contabilidade tinha afirmado, de 587$40. Depois do que disse o Senhor Sub-Secretário de Estado, o chefe da Contabilidade quererá divertir-se? O recibo, como disse, está na Repartição de Finanças de Guimarães, mas eu não procurei receber coisa nenhuma. Espero o que, em definitivo, me diga. Os meus respeitos ás Senhoras. O artigo de hontem, da "Voz'", safa! É dos que mordem carne e osso.Dedicadíssimo Alf.Guimãs.